sexta-feira, 28 de maio de 2010

Sobre a (não)natureza de certas coisas

Olá a todos, e não ainda não se chegou meu fim, a minha morte, mesmo que a tenha exercido em meu silêncio (dos mais mórbidos) e no fingimento dessa condição de fim. Talvez tenha até um pouco haver com a volta que busco mas nada disso importa, vamos ao que me proponho fazer aqui. Digo de passagem, que não se trata de uma exposição ao nível do senso comum, por mais que em algum ponto eu venha a me apropriar e explorar o ideal e idéias populares ( mesmo que não intencionalmente). E não mentirei,mas direi que,esta proposição vem de uma expressão de tentativas para uma satisfação de caráter narcísica, porém espero que por mais que assim o seja, os leitores possam considerar o que tenho a dizer com um resquício de seriedade, e em inglês eu diria humour me, by indulging my thoughts mesmo que isso pareça um pouco redundante.
Enfim depois desse emaranhado de palavras, que em primeiro momento pode parecer nada mais ao leitor como formas de rodear e evitar o assunto que nem entrou em pauta, ou de simplesmente
flertar com a paciência do leitor esperando sua completa(ou parcial) frustração. E Quem sabe talvez sim,e esboço um leve sorriso ao ter feito esses aparentes rodeios, da qual até agora, o leitor possa estar ficando um pouco entediado, mas logo perceberá este que, tudo que foi posto até agora não foi por completo inútil, e que o fiz com um sentido, e que o assunto que ainda não se revelou já está sendo tratado.Não nego porém que talvez, possa ter sido feito de outra maneira, contudo por hora, satisfaço me assim.

Pois bem, retomemos então o título para que eu possa contar como cheguei a ele. Há alguns dias, eu me deparei com um texto, escrito por uma menina, ou mulher,( seja como for que sua psique esteja estruturada) que questiona a respeito de como ela têm abordado e tratado do tema "sexo" ( em aspas, para considerar que o tratamento que ela atribui é de caráter genital, e no limite de seu texto com inclusão das preliminares, e mesmo esta sendo como ato que antecede o caráter genital do sexo). Menciona ela que, pensou a respeito de tal questão após um comentário de seu pai sobre o seu blog que dizia "Você escreve muito sobre sexo hein?". A partir disso ela passa por caminhos que a levam para questões como a banalização desse ato, do aspecto tecnicista e da idéia de passos e manuais que o cercam. Seu pensamento passa então por uma questão de uma desnaturalização e de certa forma uma alienação que se fazia a cerca disso, um desgaste não necessário. Por fim
concluía que sexo era natural, e que precisava continuar assim, e que mais gostoso do que falar sobre, era o fazer.
Pois vamos em frente.Interessante, penso eu que essa menina ou mulher, tenha percebido um desgaste do assunto, do mecanicismo que se passou o ato. Detenho me porém ao passo que chegamos perto da questão da natureza, e também ao falar sobre a questão do desgaste e do mecanicismo de passos introdutórios.
Como falei anteriormente, tenho uma certa afinidade, com a teoria freudiana da psicanálise(apesar de não exclusivamente), e apesar de não ter falado nada a cerca do assunto mesmo que tenha prometido em posts anteriores, essa afinidade me coloca em uma posição de não poder censurar, ou de criar juízos a cerca da forma que o tema do ato sexual genital têm tomado forma. Isso pois, a cisão do sexual, que transformou sexo em genitalidade a separou e deixou a tão solitária e tão isolada da condição humana, e permitiu o mecanicismo do mesmo. Não podemos pensar, que se trata de um mero acaso do destino ou de coincidências que o sexo se tornou tão banal ou um assunto em desgaste. A frustração de nossa amiga ( se é que assim posso me referir a ela),e não lhe tiro razão por ter essa frustração, é fruto de sua própria ( e a de tantos outros) forma de tratar a sexualidade. O papel ( e não passando disso) naturalizado da atividade sexual humana genital, e a atribuição sexual como um todo de caráter exclusivo ao genital, em outras palavras a cisão que essa mesma trata quando se fala de sexualidade, como se isso fosse abarcar toda a questão.
A questão não é "Você escreve muito sobre sexo hein?" como o pai de nossa corajosa colega coloca e a qual ela atribui significado suficiente para estabelecer um conflito discursivo. A questão é entender que sexo movimenta o finito e o infinito,o misterioso e o certo, o sombrio e o claro, e não seria possível tratar de qualquer outro assunto sem tratar deste, sendo este qualquer outro assunto, até mesmo a análise do recorte da sexualidade em genitalidade.
Aos completos leigos, e iniciantes vagantes da teoria freudiana, talvez isso pareça confuso e de difícil compreensão, mas espero que até aqui, mesmo que não se tenha entendido por completo, pude dar alguma possibilidade de questionar a cerca do que até aqui tratei.
Mas pretendo ir um pouco mais longe agora, para tentar relacionar e ligar com a primeira parte desse texto, e espero, que se até agora me acompanharam mesmo que com um pouco de custo, possamos continuar e seguir juntos,com sua paciência (e a minha), até o fim. Mas qual fim? Respondo "Um fim que não é fim".
Poderiam estar os leitores a se questionar,frustrados e talvez alguns até coléricos "Tudo bem, podemos até conceber abstratamente e pensar que talvez, a sexualidade poderia não estar sendo tratada de forma que se deva e que a faça justiça quando se fala só de uma sexualidade genital, mas como assim sexo não é natural?".
Não poderia dar-lhes resposta, sem tomar ainda mais de vosso tempo, e infelizmente resposta esta que, muito provavelmente seria extremamente insatisfatória para a maioria de vocês. Mas não os deixarei totalmente só no escuro que criei, pelo menos não a aqueles que não terão medo de tomar emprestado minha lanterna. Darei uma dica, a vocês e a mim mesmo, eis que ela se encontra na linguagem. Pensemos a respeito da linguagem, que talvez possamos chegar a algum local mais claro.
Penso em Lacan, que reformulou sem modificar essencialmente a teoria freudiana a partir de seu contato com a linguagem, a semiótica de Saussure, e esse por sua vez, irão arguir alguns mais conhecedores do que eu, tem predecessores que foram ofuscados, obscurecidos, e que infelizmente não poderia citar nomes pela minha falta de conhecimento.
A linguagem que tratamos aqui, e como disse, penso em Lacan ao ligar isso com o inconsciente, e Saussure por eu não poder fazer menção tão clara do inconsciente, se trata dos significados que atribuímos, dos signos que ainda não apreendemos, dos símbolos que são constituídos, dos sentido que direcionamos, a tudo que nos cerca e experimentamos. As nomeações que fazemos, e também de tudo aquilo que não nos é nomeável, o inefável que vemos no outro, e assim entendemos o que se pode entender, e não entendemos aquilo que não se pode entender, talvez por não existir, ou talvez por existir, somente como estado de fenômeno como diria Kant.
Retomemos o início desse texto sem que a idéia se feche num círculo infinito, com minhas palavras emaranhadas, e o meu fort-da singular pela palavra emaranhada. Os simbolismo de tudo que escrevi de início é atribuído por vocês e somente assim, em algum nível entendidos por vós, palavras essas não desprovidas de tentativa de comunicação, de linguagem. E por fim linguagem que não é desprovida da ação, do real,do físico, do literal, do banquete canibal, mesmo que num plano abstrato, mas ainda literal, de intenção,atuação e ação. E assim, linguagem, que vai além de uma simples comunicação, onde a intenção não é somente externa mas também interna, e perceberão talvez aqueles pacientes, ao relembrar o começo, os meus rodeios.
Agradeço a todos, que até aqui foram, pacientes, e que apesar de talvez frustrados, possam estar, em certa medida satisfeitos, pelo menos com esta dica, dica que fará caminharmos juntos, por caminhos separados.
Fico por aqui, sem pretensão de resolver questões e as faltas que ficaram, que se criaram, de simplesmente poder dizer, que também não saberia responder. Talvez mais uma vez, desapareça e morrerei por um tempo, esperando que vocês também se finjam de mortos para mim, desaparecendo na infinitude ou na finitude da vida, mas isso faço para buscar o que não tenho como todos vocês.
Morrerei mas voltarei, ou assim espero.


6 comentários:

Talita 30 de maio de 2010 21:25  

Cara. Frustrada fiquei sim, porque de palavras e mais palavras, poderia ter dito mais sem delongas (realmente).
Mais certo, preciso e consiso. Ou se precisasse das delongas, mais precisão.

Enfim. Tentei entender, mas tenho pouco a dizer. Fica só a crítica à maneira de concatenar idéias.

Mals.

Robson Jr. 31 de maio de 2010 14:25  
Este comentário foi removido pelo autor.
Robson Jr. 31 de maio de 2010 14:29  

"Talvez tenha até um pouco haver com a volta que busco..."

Isso eu não entendi, e nem quero.

"A questão é entender que sexo movimenta o finito e o infinito,o misterioso e o certo, o sombrio e o claro, e não seria possível tratar de qualquer outro assunto sem tratar deste, sendo este qualquer outro assunto..."

Isso eu entendi bem demais e posso dizer, Masao, ou você mudou, ou você sempre pensou assim secretamente ou eu não te conheço na verdade.
Mas enfim, você faz muitos rodeios seu porra e acaba não falando nada a não ser suas afeições quase carnais por Freud e suas teorias.


Lê-se: Quando o Masao fala de Freud, os leigos, ou quase leigos não percebem, mas aqueles que o conhecem podem notar com facilidade que ele alcança orgasmos múltiplos. ;D

Velho, seu melhor texto até agora no blog, espero que você morra e volte melhor, até lá, prefiro pensar que você está realmente morto.




Mais um texto da série: Masao e suas tentativas de usar o português tupiniquim - Parte 158.

Masao 2 de junho de 2010 10:43  

Desculpas a Talita. Mas espero que apesar de frustrada, e ter pouco a dizer, tenha alguma coisa pra pensar, e imagino eu ( ou pelo menos quero acreditar nisso) que se vc comentou, e comentou assim, tão poeticamente é pq de alguma forma o texto te ``contaminou``.
A única coisa que eu queria fazer aqui, era bagunçar e desestruturar um pouco, acho que ao amarrar as idéias e voltar a ler o texto, quems sabe, não vai parecer TÂO desconexo, e TÂO rodeado assim.

Robson Jr. 2 de junho de 2010 14:00  

"de alguma forma o texto te ``contaminou`` "

Masao, Masao...

Talita 20 de junho de 2010 23:54  

Ah cara, mas eu gostei. Haha. Eu gostei da mistureba sim; ficou bom o texto. Desculpas minhas por qualquer coisa.

"Enfim depois desse emaranhado de palavras, que em primeiro momento pode parecer nada mais ao leitor como formas de rodear e evitar o assunto que nem entrou em pauta, ou de simplesmente flertar com a paciência do leitor esperando sua completa(ou parcial) frustração."

Seu 'rodeamento de palavras' é bem feito. Tratar de um assunto delicado dessa maneira também não deve ser algo fácil. Embora no fim das contas posicionamentos não foram defendidos e/ou explicados cabendo a nós mesmos divagarmos sobre o assunto; sem pegar lanternas emprestadas dessa vez. E entendo que essa foi uma escolha na maneira de se colocar as palavras que eu não estava pronta para me deparar neste blog que joga limpo e direto com a maioria dos assuntos. Sem rodeios.

E não ficou-me desconexo. Talvez; lendo de novo como o sugerido, pareceu-me sem um fim real no assunto tratado. Mas está bem - percebo talvez também que essa seria por partes, a intenção. Não se pode julgar.

Esse blog foi feito...

Para pensadores esclarecidos, ou não...
Para poetas clássicos, ou não...
Para leitores convictos, ou não...
Para você, ou não...
Para mim, ou não...
Para sua mãe, sempre!

  © Blogger template 'Star Wars' by Ourblogtemplates.com 2008

Back to TOP