segunda-feira, 7 de junho de 2010

A grande ironia da vida e talvez da infelicidade(felicidade)

Post pequeno, principalmente por causa da frustração gigantesca que estou sentindo no momento. Não quero enrolar.

A curta história que se segue, é a história de todo dia, de cada um, e de qualquer momento.Mas para não apontar ninguém ou ofender ninguém no processo, vamos chamar o personagem principal de Fulaninho.

Fulaninho vive para tentar ser feliz, um pouco mais a cada dia, mesmo que a cada dia fique menos. Tenta de várias formas, mas sempre, sempre, tem um maldito que atrapalha, um outro que o impede, um outro que o frustra, um outro que atormenta.
Fulaninho odeia o outro, e a recíproca é a mesma. Afinal Fulaninho também atrapalha, impede, frustra e atormenta.
Mas Fulaninho e o outro, só queriam uma coisa depois de nascerem e depois que cresceram, eles só querem uma coisa hoje quando vivem. Só um pouco mais de felicidade.
Buscando a felicidade, Fulaninho e o Outro se odeiam. Por que se odeiam, se frustram, se impedem e se atormentam? Por que Fulaninho e o Outro só queriam ser amados por alguém.

E assim a vida os prega uma grande peça, talvez a mais cômica de todas, uma tragicomédia retratada em Édipo, em Hamlet, e outros clássicos, clássicos que mostram a mesma coisa de formas diferente, sempre nos mostrando a ironia da qual gostariam de rir Fulaninho e o Outro, mas ao entenderem, caem em prantos. Afinal Fulaninho nunca vai poder deixar de odiar o Outro, e o Outro nunca vai poder deixar de odiar Fulaninho, a vida nunca irá permitir.

Finalizo com a seguinte frase:
"Será que só quando não tenho mais nada, que posso ser algo?"

2 comentários:

Robson Jr. 7 de junho de 2010 20:27  

Ihhhh... nada a declarar.

Talita 20 de junho de 2010 22:29  

Gostei do texto.
Mas acho que para ódios não existem muitos remeédios além de: um dos dois terá de se tornar um alguém melhor.
Melhor que o inimigo.
Melhor que muitos por aí.
Ou vai continuar sendo tragado e aterrorizado pelo sentimento mais estranho que já vi. O ódio. Que distorce muitas realidades e é pior que o amor. Bem pior e mais doentio que ele.

Esse blog foi feito...

Para pensadores esclarecidos, ou não...
Para poetas clássicos, ou não...
Para leitores convictos, ou não...
Para você, ou não...
Para mim, ou não...
Para sua mãe, sempre!

  © Blogger template 'Star Wars' by Ourblogtemplates.com 2008

Back to TOP